Meu perfil
BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, ROCHA, Homem, Portuguese, English, Cinema e vídeo, Música, Arte, cultura, mexericos e afins!
MSN - vitorolive@hotmail.com

Histórico
16/12/2007 a 22/12/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
09/09/2007 a 15/09/2007
29/07/2007 a 04/08/2007
01/07/2007 a 07/07/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
13/05/2007 a 19/05/2007
06/05/2007 a 12/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
04/02/2007 a 10/02/2007
28/01/2007 a 03/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
07/01/2007 a 13/01/2007
31/12/2006 a 06/01/2007
24/12/2006 a 30/12/2006
17/12/2006 a 23/12/2006
03/12/2006 a 09/12/2006
19/11/2006 a 25/11/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
24/09/2006 a 30/09/2006
17/09/2006 a 23/09/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
03/09/2006 a 09/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
13/08/2006 a 19/08/2006
06/08/2006 a 12/08/2006
30/07/2006 a 05/08/2006
23/07/2006 a 29/07/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
09/07/2006 a 15/07/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
14/05/2006 a 20/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
09/04/2006 a 15/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
12/03/2006 a 18/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
26/02/2006 a 04/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
05/02/2006 a 11/02/2006
29/01/2006 a 04/02/2006
22/01/2006 a 28/01/2006
15/01/2006 a 21/01/2006
08/01/2006 a 14/01/2006
01/01/2006 a 07/01/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
27/11/2005 a 03/12/2005
20/11/2005 a 26/11/2005
13/11/2005 a 19/11/2005
06/11/2005 a 12/11/2005
30/10/2005 a 05/11/2005


Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
CINEMA, ETC... (O Vitor viu!)
Aqueles Dois - fotoblog
Arroz da Festa
Blog da Halebid e da sumida Mader
Que tri que fica (Carina)
A louca da Torre 2
Blog do Mar
NOVO FOTOLOG DE HALEBID (por enquanto...)
Seriemaníaco (blog do Alê)
Blog do Brett
Observador (Fernando Cals)
Tabuleiro da Thereza da Praia
Blog da Alicinha
Infinito Positivo (Ery Roberto)
Nanda e a Idade da Pedra
Diario da Vovó
Luabella e suas fases
Esculacho e Simpatia
Farofa na Neve
Filosofia de Boteco
Cabeça vazia
Sol a Sol (Karin)
Comedoras de sushi
Lady of Dreams
Jogo de palavras
Sodapop
Olhar da Colombina
Bangalô Filosófico
Just Love (kalu)
Nas nuvens
Cultura geral
Esquizofrenia Viral
Diário do escritor
Julio Castro
As 10 mais (blog do Baco)
Jarod virando o jogo.
Silvia Helena "Polkan"
Aqueles Dois - o original!
Blog da Yamí
A louca da Torre









Série Grandes nomes: A incomparável BETTE DAVIS!!!

Esta sessão, intitulada “Grandes Nomes”, falará, a cada edição, de algum grande astro ou estrela do cinema que tenha se tornado um grande ícone e entrado para a história dos filmes. Por isso, ela não poderia estrear de outro modo, senão homenageando a grande dama Bette Davis. Nascida Ruth Elizabeth Davis, no estado americano de Massachussets, em 1908, Bette entrou para a história de Hollywood como a maior e mais perfeita atriz que já existiu, na opinião de muitos especialistas no assunto.

Estrelando nada mais nada menos do que 103 filmes, Bette jamais parou de trabalhar até sua morte em 1989. Ela já fez de tudo nas telas, mas se imortalizou nos papéis de grandes vilãs. Não é à toa que muitos de seus filmes carregam títulos pra lá de sugestivos como “Pérfida” (1941), “Nascida para o mal” (1942), “A filha de Satanás” (1949), além de seu mais famoso filme, “A malvada”, (1950), grande clássico, em que a estrela nos brinda com uma deliciosa atuação na pele de uma venenosa atriz, que pode ser conferida em DVD.

Durante muito tempo, Davis foi recordista absoluta de indicações ao Oscar, com 11 ao todo, sendo superada recentemente apenas por Meryl Streep, tendo ganhado duas estatuetas com “Perigosa” (1935) e “Jezebel” (1938).

A lista de seus sucessos é interminável, mas para citar um bom exemplo de seu explosivo e raro talento, temos o filme “O que terá acontecido a Baby Jane?” (1962), terror psicológico de primeira qualidade no qual a atriz duela com a arqui-rival das telas, Joan Crawford. As maldades que a personagem de Bette comete contra a irmã, vivida por Crawford, são absolutamente impagáveis e imperdíveis. Por essas e outras que o CineGazeta presta uma justa homenagem àquela cujos olhos sempre serão os mais expressivos da história do cinema e servem até hoje de inspiração para muitas atrizes.

http://www.gazetadascidades.com.br/pages/cinegazeta.htm



 Escrito por Werther-Pan às 16h09
[] [envie esta mensagem]



Estrela brasileira no céu azul!!!

Independente de ter um companheiro trabalhando na VARIG, acho uma grande e lamentável pena o que está acontecendo. O Brasil não merece mais esta perda. Deixo um texto muito bem escrito por Cláudio Magnavita, que traduz bastante o momento atual.

"Será necessário que o mundo acadêmico analise o comportamento da imprensa brasileira no caso Varig. Neste cenário, o professor Alberto Dines, um dos mais respeitados jornalistas brasileiros e que nos últimos anos tem analisado sem dó nem piedade o comportamento da nossa mídia, encontrará muita matéria-prima para o Observatório da Imprensa, que foi um projeto original do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e hoje é mantido pelo Projor - Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo.

Nunca uma empresa privada foi alvo de uma campanha e de manchetes tão violentas, publicadas simultaneamente e de forma sincronizada, defendendo o fim da companhia e dos seus quase 10 mil postos de trabalho.

Que tanto mal teria cometido a Varig para ser alvo de tamanha fúria? O Jornal O Estado de São Paulo defendeu em editorial o fim da empresa. A Revista Veja elencou razões para o Governo não ajudar a Varig. A Folha de São Paulo chegou a anunciar o fim da empresa. O gaúcho Zero Hora deixou de lado o bairrismo e também decretou o fim próximo da sua conterrânea. Era como se todos torcessem para que o fim chegue logo e houve até jornal que em tom de obituário resolveu contar a história da Varig no seu site. O mais grave é que, por ter os grandes jornais serviços noticiosos que alimentam a imprensa de todo o país, estas matérias ganharam espaço em dezenas de outros jornais no Brasil. Apesar da “morte anunciada” nas manchetes a empresa continuou voando, com aviões cheios, passageiros cativos e atendidos por cordiais tripulantes.

Por que tanto pessimismo e disposição de colocar a Varig no chão? O pior é que por ser uma empresa privada e que depende do fluxo de passageiros as próprias manchetes poderiam ter contribuído para se transformar em realidade. O sensacionalismo da mídia poderia ter provocado uma corrida, afastando de verdade os passageiros e iniciando um ciclo de sufocamento.

Num primeiro momento, o susto realmente aconteceu e a engrenagem quase foi travada. Não apenas o mercado ficou assustado com o noticiário, também o corpo funcional ficou abalado. Foi a primeira vez que a companhia sentiu um solavanco tão forte na sua receita e no seu horizonte. Afinal a morte da Varig era anunciada com dia e hora marcada. Quem imaginaria que a imprensa brasileira seria tão irresponsável de assumir tal postura. A credibilidade inicial das manchetes foi se evaporando com o passar do tempo.

O passar dos dias ajudou a superar a morte anunciada. De quinta, pulou para a semana seguinte e o fim não chegou como torciam os mórbidos jornalistas. Os primeiros acenos não vieram de Brasília como se esperava, ou de nenhum entreposto do poder concedente. Pelo contrário, o Governo Federal jogou mais lenha na fogueira. A reversão do quadro se deu com uma corajosa postura do juiz titular da 8ª Vara Empresarial José Roberto Ayoub, que reuniu a imprensa e, ao contrário do que os repórteres nervosamente esperavam, não anunciou o fechamento da empresa, mas que tudo estava normal e que a Varig era viável. Na ante-sala do juiz um jovem e nervoso advogado da BR Distribuidora, tremendo perante a uma avalanche de microfones, anunciava que a estatal não iria dar prazo. Entre as palavras de bonança do experiente juiz e os comentários do jovem advogado, boa parte da imprensa preferiu dar a sua manchete para a notícia ruim. A Anac - Agência Nacional de Aviação Civil também fez a sua parte com as palavras tranqüilizadoras do seu presidente, Milton Zuanazzi.

Neste contexto é necessário fazer justiça ao variguiano, o corpo funcional da companhia, que mesmo tendo a sua poupança previdenciária evaporada com a liquidação do Aerus e com os salários atrasados, está dando uma aula de civilidade e de amor a empresa. Todos estão unidos, trabalhando de forma ordenada e não deixando as manchetes virarem realidade. São poucas as companhias que possuem um corpo funcional tão dedicado e fiel. Eles demonstram que amam verdadeiramente a estrela brasileira que colocam no peito. Quem voou na Varig nos últimos dias não pode acreditar nas manchetes. Os vôos saíram nos horários, o serviço de despacho foi atencioso, as bagagens chegaram e tudo funcionou como sempre. Todos trabalhando com uma tremenda boa vontade. Quem desembarca contente de uma viagem com aviões cheios questiona na hora: por que tanta raiva contra a Varig?
A aviação que corre nas veias dos variguianos é patriótica e tem a cor verde-amarela. O refluxo das notícias positivas já voltou a acontecer e alguns veículos começaram a rever o seu ponto de vista e procuraram fazer justiça. Os passageiros mantiveram-se fiéis. Quem perde é a credibilidade da imprensa alarmista que utiliza o poder das manchetes para crucificar sem nenhum remorso um dos símbolos internacionais do Brasil. Faltam-lhe patriotismo e amor à soberania dos fatos. A imprensa brasileira vive uma crise epidêmica, na qual toda uma geração parece compreender que só existe compromisso com o fatalismo e a necessidade de transformar a desgraça alheia em manchete, sem se importar com os sofrimentos e prejuízos que possam causar."

 
*Cláudio Magnavita é presidente nacional da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo, membro do Conselho Nacional de Turismo e diretor do Jornal de Turismo.


 Escrito por Werther-Pan às 17h12
[] [envie esta mensagem]



Padroeiro do Brasil.

                          

 

Em toda casa tem um quadro de São Jorge

Eu toda casa onde o santo é protetor

Num barracão, num bangalô, de gente nobre

Há sempre um quadro desse santo salvador

 

Por isso mesmo não devemos esquecer

A grande data, dia 23 de abril

Vamos cantar com alegria e prazer

Porque São Jorge é o Padroeiro do Brasil!

 

Ary Monteiro/Irany de Oliveira



 Escrito por Werther-Pan às 15h21
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]
  
UOL